Guia para o treinamento de segurança do trabalho

O treinamento de segurança do trabalho precisa ser priorizado pela gestão de toda empresa. Além de seguir as normas estabelecidas pela legislação brasileira, o desafio deve levar em consideração a saúde e o cuidado dos trabalhadores.

A melhor forma de prevenir acidentes no cotidiano de trabalho é manter o ambiente livre de riscos. Essa prevenção não é fácil de assegurar, mas é possível ser alcançada por meio do treinamento apropriado.

No post de hoje, você entenderá tudo sobre o tema, desde a sua importância até como realizá-lo. Continue acompanhando!

Importância do treinamento de segurança do trabalho

Organizar um treinamento com foco em segurança do trabalho é o mesmo que ensinar para todos os colaboradores, de maneira prática, os procedimentos corretos que devem ser exercitados antes, durante e após um trabalho.

Na verdade, o objetivo vai além do compartilhamento de uma metodologia operacional. Trata-se de uma mudança comportamental por meio da compreensão de como a saúde e a segurança do trabalhador, de fato, importa.

Um treinamento de segurança do trabalho pode ter diversos assuntos e tipos, enriquecendo a organização em áreas distintas.

Dessa forma, é possível fazer com que o time de colaboradores desenvolva princípios ricos, como: se importar com o colega de trabalho, desenvolver uma cultura de prevenção, proteção e integridade, entre outros.

Para o empregador, uma lista de ganhos pode ser mencionada, incluindo qualidade do produto e serviço, equipes capacitadas, bem-estar no ambiente de trabalho, diminuição do número de acidentes, engajamento dos funcionários, maior produtividade e segurança dos processos executados.

Tipos de Treinamento

Existem vários tipos de treinamento de segurança do trabalho. Os mais comuns são aqueles que envolvem as famosas Normas Regulamentadoras (NRs) e os processos de trabalho. A seguir, falaremos sobre os modelos mais populares no mercado.

Integração

Esse tipo de treinamento funciona na chegada de um novo funcionário que necessita ser integrado com as regras da empresa.

As informações passadas podem ser sobre o ambiente e as condições de trabalho, abordando os possíveis problemas atrelados à função do novato. Em alguns segmentos, esse procedimento é mandatório.

Conscientização

Conscientização dos trabalhadores quanto aos benefícios de acompanhar todas as regras de segurança estabelecidas. Em geral, é feito por palestras motivacionais com o objetivo de ensinar os procedimentos apropriados dos equipamentos.

Análise de riscos

A análise de riscos serve para ajudar na antecipação dos problemas. O conteúdo desse treinamento considera a apresentação das técnicas de acompanhamento dos riscos e prevenção de acidentes.

Prevenção

Apesar do treinamento mencionado acima auxiliar bastante, a disseminação da cultura da prevenção é o que faz a diferença na empresa.

Esse treinamento é essencial para que não só o responsável pela segurança, mas todos os funcionários, de fato, conheçam a legislação e entendam os riscos aos quais possam estar expostos.

Quando todos os colaboradores se unem para impedir que tragédias aconteçam, a empresa só sai ganhando. Prevenir é a solução.

Ergonomia

O treinamento de ergonomia é bastante funcional e consiste no ensinamento sobre a importância de manter a postura física correta durante o trabalho.

Seja ao operar equipamentos ou na forma de se sentar nas cadeiras, os colaboradores precisam evitar possíveis Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORTs) ou Lesão por Esforço Repetitivo (LER).

Como planejar seu treinamento

Após ter identificado qual tipo de treinamento você deseja aplicar, o próximo passo é saber como planejar a execução da tarefa.

Para que você saiba mais sobre o planejamento, dividimos essa parte em dois momentos: a preparação e o cronograma. A seguir, daremos dicas para que você tenha sucesso do início ao fim.

Preparação

Muitos profissionais do RH ou, até mesmo, outros funcionários encarregados pela segurança de trabalho em empresas que não têm um técnico formado, se perguntam se podem ministrar treinamentos.

A resposta é que as Normas Regulamentadoras não exigem uma graduação ou curso técnico para que profissionais compartilhem conhecimento nas empresas. É necessário, portanto, investir em um aprendizado extremamente profundo para explicar o que se trata.

Se você considera ministrar um treinamento de segurança do trabalho, independentemente do tipo de ensino, você precisará estar preparado!

Conheça a empresa

Conhecer o ambiente de trabalho é tão essencial quanto estar por dentro do tipo de trabalho operacionalizado. Um bom treinamento é aquele que consegue se adequar a rotina dos colaboradores e a realidade da empresa.

Ao estar por dentro disso, você poderá saber mais sobre os verdadeiros riscos do trabalho, podendo analisar quais as medidas preventivas que a organização adotará para evitar problemas futuros.

Estude as normas

Para ensinar qualquer coisa sobre segurança do trabalho, é importante que você mostre domínio no que as NRs dizem sobre o treinamento específico.

Conhecimento completo no assunto é também saber na prática. Muitas vezes acontece de o profissional ter formação, mas não obter o mínimo de vivência na área.

Quando o assunto é ministrar treinamentos, o próprio Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) coloca o conhecimento acima da formação. Portanto, estar preparado já é suficiente, mas é preciso se garantir! Você se encaixa nesse perfil?

Cronograma

Como toda apresentação, é fundamental que você divida o momento em início, desenvolvimento e fim. Estabelecer um cronograma ajudará a não se perder no espaço de tempo reservado.

Você pode incrementar a programação utilizando slides e vídeos, ousando na criatividade para chamar a atenção do público. Caso precise de ajuda para elaborar seu próprio plano, você pode acompanhar os passos seguintes:

  1. Introdução: fale sobre o objetivo do treinamento e dê uma breve passada sobre o conteúdo que será abordado;

  2. A empresa: elabore um resumo que contenha o histórico da empresa estabelecendo uma ligação entre a atividade-fim da organização com a segurança do trabalho;

  3. Política de segurança: aborde as questões organizacionais da empresa juntamente com as normas de segurança do trabalho;

  4. Desenvolvimento: discorra sobre o conteúdo de acordo com o tipo de treinamento definido. Seja qual for, sempre será preciso relembrar os conceitos sobre saúde e segurança corporativa, assim como acidentes em local de trabalho (ou a caminho);

  5. Ambiente de trabalho: alinhe seu discurso com situações onde o ensinamento poderá se encaixar na prática;

  6. Combate aos riscos: elenque as problemáticas das funções e reforce como combatê-las;

  7. Conclusão: relembre em poucas palavras o que foi abordado na palestra e faça os agradecimentos necessários.

Contrate uma assessoria especializada

A Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho (SSST) é o órgão vinculado ao MTE voltado para o controle das tarefas ligadas à segurança e saúde ocupacional.

Com o poder de fiscalizar e orientar a respeito da correta implementação da legislação, a SSST penaliza empresas por não cumprirem com as normas.

Dependendo do caso, a secretaria responsável pode embargar obras e até mesmo interditar máquinas, estabelecimentos e equipamentos, definindo prazos para eliminação das condições de riscos aos funcionários.

Por conta de situações como essa, ter uma boa assessoria para a medicina e segurança do trabalho é essencial para toda empresa que queira garantir a execução dos procedimentos de segurança em seus pormenores.

Além da implementação adequada dos processos, a instituição também pode contar com uma padronização das metodologias empregadas, principalmente, no dia a dia de trabalho do RH.

Existe um número muito alto de empresas que não possuem regularização quanto à segurança, desprezando os programas mandatórios e ficando à mercê de problemas que, sem dúvidas, resultarão em perda de dinheiro.

Muitos empresários até conhecem sobre as normas, mas não tem sucesso ao implantá-las na instituição, podendo ser pegos de surpresa pela fiscalização e não terem como lidar com a situação.

Nesses casos, a consultoria de segurança do trabalho surge como aliada fatal para combater a dificuldade apresentada. Por isso, pense duas vezes antes de acreditar que pode lidar com todos os procedimentos necessários sem o apoio de uma equipe profissional especializada.

Primeiros passos para a segurança

Se você trabalha na área de segurança do trabalho, com certeza está consciente do grande desafio que é estimular a cultura da prevenção dentro da empresa de forma dominante.

Para alcançar esse resultado, é preciso esforço e aplicação de técnicas irreversíveis! Quer saber quais as ações essenciais para fazer com que esse conjunto de conceitos se torne cada vez mais forte entre os colaboradores? Então continue acompanhando para descobrir!

Avalie os colaboradores

Acompanhar a saúde física e psicológica dos colaboradores é uma forma de, não apenas demonstrar cuidado, mas também conhecer melhor as pessoas.

Procure realizar exames periódicos e de atendimentos sempre que for possível. Assim, a imagem da empresa como uma entidade que nutre o respeito pelos profissionais crescerá.

Invista em equipamentos de segurança

Como sabemos, as empresas são obrigadas por lei a conceder os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e os Equipamentos de Proteção Coletiva (EPCs) necessários para resguardar a saúde do trabalhador.

Esse passo não pode ser pulado nunca! Confira quais são os equipamentos necessários conforme o ramo da sua empresa e invista. Se for preciso criar regras internas para garantir o bom uso dos itens protetores, vá em frente.

Planeje para prevenir

As ações preventivas sempre serão tidas como verdadeiras aliadas do setor de segurança do trabalho. Afinal de contas, a prevenção é a melhor forma de reduzir o número de acidentes por meio da identificação de riscos.

Para atuar nessa frente, a empresa pode encontrar várias formas de se comunicar com os funcionários.

Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho (SIPAT) não pode ser o único momento do ano reservado para a conscientização.

Palestras e campanhas abordando assuntos ligados à saúde e prevenção de acidentes não só podem como devem compor o calendário anual do setor.

Avalie o programa de saúde e segurança do trabalho

É comum ver gestores se ocupando com diversas atividades na empresa e deixando de lado a importância da avaliação quanto ao que está sendo executado. Analisar o programa de saúde e segurança com cuidado deve ser tomado como prioridade. 

Em busca de melhorias, investigue minuciosamente para saber quais são as fragilidades de segurança e de que forma o departamento conseguirá se aproximar dos funcionários.

Preze pela organização do ambiente

Organizar é um ato primordial. Muitos gestores evitam insistir na organização do ambiente de trabalho dos colaboradores somente para não parecerem chatos.

A verdade é que a ordem no recinto pode evitar inúmeros acidentes. Áreas de passagem devem estar liberadas, o chão sempre limpo, sinalização livre de empecilhos e demais atos similares.

Promova o treinamento necessário

Após identificar os pontos em que os colaboradores precisam de orientação, preocupe-se com a capacitação. Se os EPIs e EPCs não estão sendo utilizados com frequência, por exemplo, demonstre por meio de um treinamento específico qual a real importância de tal atitude.

A prudência e o cuidado são essenciais para a criação de um ambiente seguro. Portanto, se os seus colaboradores não vivem sob tais princípios, é preciso ensiná-los.

Não se esqueça de que treinamentos de primeiros socorrosincêndio são fundamentais para diminuir a proporção de danos que podem ser causados por acidentes trágicos.

Faça manutenções periódicas

A manutenção dos equipamentos e máquinas utilizadas na empresa deve sempre ser levada em consideração. 

Dessa maneira, é possível prever que acidentes se concretizem no ambiente de trabalho. Isso por conta da correção em cima dos erros identificados no momento da manutenção.

Documente sempre

Documentar os incidentes ajudará a empresa a não passar pelos mesmos erros. Pelo contrário, os colaboradores poderão tirar uma lição dos momentos difíceis, colaborando uns com os outros.

Faça questão de manter cada ocorrência bem documentada e com descrições claras. Não registre apenas o que aconteceu. Aproveite para ir além ao relatar quem estava envolvido, como o evento desastroso poderia ter sido evitado e quais são os procedimentos recomendados.

Quando mais você estiver por dentro daquilo que acontece na empresa, melhor será o entendimento da realidade local. Caso não seja possível estar sempre presente, peça a ajuda de um colaborador para verificar o cumprimento do treinamento de segurança no trabalho.

Motivando e estimulando a equipe

Não há dúvidas de que a motivação de segurança do trabalho é o fator que faz a diferença na hora de instalar uma cultura de prevenção nas organizações.

Trabalhadores desmotivados e iludidos quanto às questões de saúde e proteção pouco contribuem para a redução de riscos porque, afinal de contas, eles não veem motivos para tal.

Conheça as melhores maneiras de continuar a trabalhar a comunicação com a equipe!

Ouça o outro

Um diálogo é feito pelo falar e ouvir. Assim, o primeiro passo para motivar o seu público interno é se colocar à disposição para entendê-lo. Os colaboradores da instituição não estarão dispostos a falar com quem não quer ouvir, portanto, preocupe-se em se mostrar disponível.

Você pode fazer uso de estratégias simples, como a inserção de uma caixa de sugestões onde há um significativo fluxo de pessoas. Esforce-se para demonstrar que está aberto não apenas para sugestões, mas para reclamações e até mesmo denúncias, se tornando uma verdadeira ouvidoria.

Quanto mais aberto e transparente você for, mais confiança receberá em troca. Busque inspirar credibilidade, manter o sigilo das informações e não confiar em todas as “verdades” que são contadas.

Contrate palestrantes de fora da empresa

Os membros da CIPA não podem ser vistos como os únicos responsáveis pela conscientização quanto à saúde e segurança na empresa.

Contratar palestras e cursos de empresas especializadas pode ser uma opção muito bem recebida para as empresas em que o índice de acidentes é alto.

Se a disseminação de informação útil é necessidade urgente, você pode optar por investir em aulas motivacionais e apresentações mais práticas, demonstrando hábitos saudáveis, conversando sobre o bom uso dos EPIs ou abordando a gestão de riscos.

É muito natural que os colaboradores deem mais atenção ao conteúdo quando o treinamento vem de fora. Por isso, em favor do estímulo requerido, leve isso em conta!

Trabalhe a cultura da equipe

Você já viu um colega de trabalho zombar do outro apenas pelo uso dos EPI’s de maneira mais criteriosa? Pois é. Esse ato é muito comum entre operadores nas indústrias.

Zombarias e comportamentos desse tipo demonstram a primordialidade com que se deve trabalhar a cultura entre a equipe. A postura da empresa não pode ser neutra nesses casos e nem muito agressiva.

O ideal é encontrar o equilíbrio certo para lidar com a situação, entendendo os motivos de todos os envolvidos, evitando polêmicas e tensões.

Demonstre, por meio de um argumento leve, que brincar com a saúde e a vida não faz sentido algum. Busque sempre cortar o mal pela raiz e se preocupe com a transformação do ambiente por meio da conscientização segura.

Ofereça ganhos adicionais

Se você quer trabalhar a motivação de segurança do trabalho, lembre-se que as pessoas costumam se sentir mais estimuladas ao avistarem algum ganho adicional. 

Use a criatividade e a imaginação para planejar uma campanha criativa que estipule uma maratona da segurança e da saúde com direito a prêmios. Para isso, esteja alinhado com todos os responsáveis pela segurança do trabalho, além da Diretoria.

Reúna os líderes

Os líderes precisam ser espelhos do interesse da companhia. Aliás, quem está na operação observa o gestor como alguém mais próximo da Diretoria. Tome cuidado para que os líderes da empresa não desvalorizem os seus esforços ao não demonstrarem interesse pela segurança.

A participação ativa da liderança é essencial. Promova reuniões periódicas para reforçar a importância de tratar as normas internas de segurança com o respeito devido. 

Os gestores devem ser os primeiros a andar na linha, servindo de exemplo para os outros profissionais. Nas reuniões, você pode aproveitar para discutir as estatísticas de acidentes no trabalho na empresa, assim como métodos para prevenção.

Distribua informação

A boa cartilha com informações sobre segurança no trabalho ainda pode ser útil para conquistar a atenção do seu público. Você pode se alinhar ao setor do marketing interno para elaborar algo chamativo e eficiente.

A partir disso, você pode distribuir o conteúdo para os funcionários, incluindo regras para fins de consulta. Disponibilize os dados mais relevantes em locais estratégicos, como refeitórios e recepções.

Uma boa forma de atrair a atenção de quem está começando a se interessar sobre o assunto é mostrar que o acidente de trabalho vitima não só o trabalhador, como sua família e as pessoas mais próximas.

Quanto mais você puder ajudar as pessoas a entenderem o valor de suas vidas, mais motivação você injetará.

Não se esqueça de que os canais de comunicação interna são um dos maiores aliados da Gestão de Pessoas. Use os murais, materiais impressos e todas as áreas de aviso para manter o assunto da segurança sempre em alta. 

Você pode criar conteúdo ao fazer questão de lembrar quais são as principais ações a serem tomadas na rotina da organização.

Seja criativo

Iniciativas motivacionais para conscientização serão bem-vindas a todo tempo. Para isso, é preciso juntar disposição à criatividade.

Uma ideia que surte efeito positivo nas empresas é a ação que muitos chamam de “Amigo da Segurança”. Trata-se de premiar um funcionário com o título de mês em mês. 

Dessa forma, você não só estimula esse profissional a dar continuidade à aplicação das normas de segurança, mas também a inspirar os demais colegas. Oferecer um presente para o “Amigo da Segurança” ajuda a fazer com que o reconhecimento não caia no esquecimento entre os colaboradores.

Outra opção vista com frequência é a contagem dos dias em que não ocorreram acidentes de trabalho. 

Você pode colocar um placar em um local comum, contabilizando o número de dias em que os profissionais voltaram para suas casas sem sofrer qualquer tipo de acidente no ambiente de trabalho ou a caminho. Seja criativo e tenha o céu como o limite.

Ao garantir a segurança, a saúde e a motivação dos trabalhadores, você fará com que a organização atinja resultados muito mais produtivos. Sem falar no ambiente mais prazeroso para um trabalho sem medo e com riscos reduzidos.

Além de obrigatório, esse tipo de ensino nas empresas é fundamental para a capacitação pessoal dos colaboradores que poderão aprender a reconhecer, avaliar e agir em prol do combate de riscos identificados no ambiente de trabalho. 

Esperamos que você tenha compreendido a importância da aplicação de treinamentos de segurança do trabalho nas organizações. Entre em contato com a Previnsa para conhecer uma alternativa completa e integral para a realização de treinamentos e consultorias nessa área!